30 de julho de 2011

Liberta a ti mesmo

Tiago passou a morar sozinho não faz muito tempo, logo, está em constante fase de adaptação. E já queimou o pano de prato, consertou o chuveiro e ficou sem luz por ter esquecido de pagar a conta. Tiago, apesar de maior de idade, ainda não é um homem.
Só teve um pouco de sorte ao passar na Federal de primeira.

Por não ser homem, Tiago ainda ouvia bandas como Led Zeppelin e Beatles enquanto jogava video-game, e recebia telefonemas dos pais e berros dos vizinhos: "abaixa esse volume!"
Quando telefonava, seu pai sempre perguntava: "e o sudoku?"

Tiago, maior de idade, lembrara que gostava de sudoku. E no mesmo final de semana, saia para comprar na banca de revistas que havia na rua de frente.
Sem se importar, sem pentear o cabelo, ou sem tirar a camisa do Brasil, Tiago ia comprar o jornal.

Jornal este, que era vendido, pela - menor de idade - Valéria.
Valéria, apesar de menor de idade, não era homem. Logo, era mulher*. E Deus sabe lá se a Ciência tem razão quando diz isso, mas os homens amadurecem depois que as mulheres.
E os dois tinham seu quê de genialidade, mas não eram excepcionais. Digo, não eram excepcionais para a Ciência, mas Tiago sabia que era o melhor jogador de sudoku da cidade, e Valéria sabia que tinha a própria vida nas mãos. Isso, convenhamos, é excepcional - mesmo que ninguém dê a mínima.

E Valéria, que vendia o jornal para Tiago, reparava no sorriso dele, enquanto ele reparava na edição do tal jornal. Sorriso este, que não aparecia sem motivo; sem Valéria exclamar "é novo, juro!". Fosse falso, fosse verdadeiro, ele aparecia.


E os meses foram passando.
Tiago aprendeu a não queimar os panos de prato, e vendeu o videogame. Tem comprado mais bebida do que jornal, e o chuveiro nunca mais quebrou.
Juntou dinheiro e anda por aí usando barba, sapato social, e camisa do Brasil.

Valéria ainda era excepcional: já não era mais menor de idade, e tinha belas pernas. Agora, sabia que Tiago era ótimo no sudoku.
Andava por aí com essas bonitas pernas, deixando sorrisos - fossem falsos, fossem verdadeiros - nos rostos que lhe eram familiares, e uma aliança nas mãos.
Talvez, Valéria não fosse mais tão excepcional assim.









*é o que consta.

Um comentário:

@mutyler disse...

Seu melhor texto Ana. Finalmente tem o que faltava.

Postar um comentário

Ahá.