24 de outubro de 2010

Cruzadas e diretas

Contradiz-se o tempo inteiro, essa Ana. Não tem certeza de absolutamente nada, se não ela mesma. E tem a liberdade - aliás, rouba a liberdade de retirar o que acabou de dizer.
Por isso ela não sabe se ama você.
Não gosta do que é metade. Incompleto, melhor dizendo.
Se não terminar, não comece. Não recomece. Não termine dizendo que não vai voltar.

Finais de semana interminados deixam-na frustrada.
São quinze minutos de convencimento para dois de aproveitamento. E não são quinze.
Não nasceu para ser quinze.
Nasceu para ser oito.
Ou oitenta.

E, nesses finais de semana de coisas novas ela se empolga. E esquece de que final de semana acaba em dois dias fracos, rápidos e chuvosos.
Empolga em conhecer o mundo novo. O mundo de novo.
E esquece que na segunda-feira sacana, você não vai saber o que responder na prova.

E esquece que no final de semana que vem, tem mais.

3 comentários:

Vaccum Head. disse...

Cruzadas para os que acreditam na fé, diretas já.

naramarx disse...

Ai a contradição me deixa louca... visite www.excentricidadesurbanas.blogspot.com vamos trocar nossas excentricidades! Abçs

' disse...

Essa narradora fode com a Ana. Pode ser mais flexível com ela, por favor?

Postar um comentário

Ahá.